Goiânia recebe Nathalia Timberg em Através da Iris
    A peça, com texto de Cacau Hygino, direção de Maria Maya e direção de produção de Bruna Dornellas e Wesley Telles, chega a Goiânia com patrocínio da Seguros Unimed e abre as comemorações pelos 90 anos de Nathalia Timberg



    “Através da Iris” é uma homenagem à novaiorquina Iris Apfel, ícone mundial da moda aos 97 anos e será apresentado na capital, dias 27 e 28 de abril, no Teatro Sesi.

    “More is more, less is bore.”
    "Mais é mais, menos é chato", uma brincadeira com o velho “Menos é mais”, é o lema da novaiorquina Íris Apfel, 97 anos, empresária, designer de interiores e hoje uma das maiores referências mundiais na arte pop e no mundo fashion.

    É sobre esta mulher que fala “Através da Iris”, solo de Nathalia Timberg com texto inédito de Cacau Hygino e direção de Maria Maya. A peça abre as comemorações pelos 90 anos de Nathalia, que se completam em 2019, com a atriz em plena atividade artística. A Direção de produção é de Bruna Dornellas e Wesley Telles da WB Produções.

    Através das ideias arrojadas e do humor ácido de Iris Apfel, a peça é um elogio à liberdade de ser e de se expressar, em qualquer tempo da vida. Apfel, hoje aos 97 anos, inspira e surpreende artistas e criadores mundo afora com sua autenticidade e pensamento. Suas ousadas misturas ao se vestir, seus acessórios exuberantes, os óculos gigantes e roupas multicoloridas falam sobre a independência a que todo tem direito. Sobre experimentar - e se experimentar – sem medo do julgamento.

    Quando ainda atuava como designer de interiores, Iris, junto ao seu marido, Carl Apfel (morto em 2015, aos 100 anos), viajava o mundo em busca dos tecidos perfeitos para a clientela ilustre que incluía nomes como Estée Lauder, Jacqueline Kennedy Onassis e Greta Garbo. A dupla foi chamada para decorar a Casa Branca por nove mandatos: Truman, Eisenhower, Nixon, Kennedy, Johnson, Carter, Reagan e Clinton. Aos 84 anos de idade, a designer foi surpreendida por uma virada em sua vida: passou a ter seu estilo reverenciado pelo mundo todo depois se tornar tema de uma exposição no Metropolitan Museum de Nova York, onde inicialmente seriam apresentados cinco looks seus em uma pequena galeria, mas o evento se transformou numa exposição inteira com mais de 80 looks e cerca de 150 mil visitantes.

    “Uma das maiores surpresas que tive ao escrever ‘Através da Iris’, foi ter encontrado uma segunda personagem, dentro da nossa ‘Estrela Geriátrica’. Não são apenas, moda, estilo, frases ácidas e divertidas que permeiam seu universo. Descobri uma mulher de vida colorida - ela mesma fala que as cores ressuscitam os mortos - com uma larga experiência, movida pela vivacidade, bom humor e coragem. Encontrei uma Iris que serve de exemplo pra todos aqueles que desistiram da vida. Lembrem-se de que ela tem 97 anos e uma imensa alegria de viver!”, vibra o autor Cacau Hygino.

    SINOPSE

    Nathalia Timberg está em cena como Iris Apfel dando uma entrevista - ela abre sua casa e divide, com uma suposta equipe jornalística, suas histórias e opiniões sobre os mais variados assuntos, sem papas na língua.

    A MONTAGEM

    Nas palavras da diretora: “O que mais me interessa durante o processo de construção teatral é a possibilidade de se estabelecer inúmeros pontos de vista sobre a mesma obra ou, no nosso caso, sobre a mesma pessoa. Quando me deparei com essa figura excêntrica, icônica que é Iris Apfel, eu, de imediato, fiz a minha escolha. Transpor para cena não aquela mulher com todos seus acessórios e marcas. Mas sim me apropriar do ser humano que estava por trás disto, aproximando o espectador deste universo, que para mim não era somente estético. Estabeleci minha encenação por vias do teatro documental, na tentativa de ultrapassar essa linha tênue entre realidade e ficção. Onde as questões abordadas são pertinentes a qualquer geração, em qualquer tempo, afirmando verticalmente um pacto com o real”.

    A diretora Maria Maya, em parceria com o autor Cacau Hygino, concebeu o espetáculo como um documentário cênico. Os depoimentos da atriz no palco se misturam às suas aparições em vídeos projetados no cenário. As ações presenciais dialogam com as ações virtuais, numa interação em tempo real.

    O cenário de Ronald Teixeira é uma grande caixa vazada por janelões, por onde vemos o interior da casa de Iris, com sua exuberância e barroquismo – objetos multicoloridos que vão desde velas e obras de arte a bichos de pelúcia e flores, além de duas coloridas poltronas bergère.


    IRIS APFEL

    Aos 97 anos e, hoje, mais pop do que nunca, a designer de interiores novaiorquina não foi e nem é estilista, modelo ou editora de moda - isso, porém, não a impediu de se tornar um ícone de estilo, dialogando com o mundo através de seu look, em que não economiza na exuberância e na riqueza de detalhes.

    Empresária, designer de interiores e a partir de então genuíno ícone da moda, a norte americana, uma das primeiras mulheres a usar calças jeans nos EUA, ganhou espaço sob os holofotes na última década graças à sua autenticidade e ao seu inconfundível estilo colorido e exuberante. Segundo a própria, os acessórios são itens obrigatórios na composição do look, o que torna qualquer um mais elegante.

    Entre 2005 e 2006, Iris foi tema da exposição “Rara Avis: Selections from the Iris Barrel Apfel Collection”, que aconteceu no Metropolitan Museum (NY); em 2007, apresentou peças de seu guarda-roupas para o livro “Rare Bird of Fashion: The Irreverent Iris Apfel”; em 2011, no auge de seu reconhecimento, fechou parceria com famosa empresa de maquiagem para lançar uma coleção exclusiva.

    “Envelhecer graciosamente é não usar maquiagem pesada e não tentar parecer mais nova. Eu acredito que foi Chanel quem disse ‘Nada faz uma mulher parecer tão velha quanto tentar desesperadamente parecer jovem’. Acho que você pode ser atraente em qualquer idade. Nunca tive muito mentores ou ícones nem nada, eu simplesmente fui indo. Não estou fazendo nada violentamente diferente do que eu fazia há 50 anos. Meu marido e eu riamos disso o tempo todo porque pensamos ‘Meu Deus’, essas garotas dizem que eu sou ‘cool’, ou ‘hot’, ou qualquer que seja a expressão, e eu não estou fazendo nada diferente do que fazia há muito tempo. É engraçado. Não posso dizer que não gosto, é muito lisonjeiro! Quando você é velho, começa a desmoronar – e precisa fazer o melhor possível para se manter firme. Acho que fazer coisas e se manter ativo é muito importante. Graças a Deus eu amo fazer coisas. Eu me sinto abençoada por ter todas essas oportunidades nessa fase da vida” – Iris Apfel

    FICHA TÉCNICA
    Texto: Cacau Hygino
    Direção: Maria Maya
    Elenco: Nathalia Timberg
    Diretor Assistente: Michel Blois
    Diretores de Produção: Bruna Dornellas e Wesley Telles
    Produtor Executivo: Deivid Andrade
    Produtor Executivo EUA: Victor Barroco
    Figurinista: Tati Brescia
    Assistente Figurino: Wercisley Neto
    Modelagem: Emilia Reily
    Confecção e Costura: Ateliê ControlIU 
    Croquis: Allan Azevedo
    Cenografia e Direção de Arte: Ronald Teixeira e Guilherme Reis
    Assistente de Direção de Arte: Caroline Amaral
    Cenotécnico: Humberto Júnior e equipe 
    Aderecista e Pintor de Arte: Gabriel Barros
    Projeções Cênicas: Rico Vilarouca e Renato Vilarouca
    Desenho de Luz: Adriana Ortiz
    Assistente de Luz: André Martins
    Trilha Sonora: Marcello H
    Fotos: Rodrigo Lopes
    Videomaker TV: Johnny Luz
    Visagismo: Vavá Torres
    Criação da Arte: TeTo Cultura
    Operador de Luz: Paulo Moreira
    Operador de Som: Bernardo Aragão
    Operador de Vídeo: André Boneco
    Contrarregras: Davidson Carvalho e Felipe Andrade
    Camareira: Silvia Siqueira
    Designer Gráfico: Ellen Trevizan
    Assistente de Produção: Aline Gabetto
    Coordenação Administrativa: Letícia Napole
    Assessoria Jurídica: Luana Petry e Priscila Benincá
    Assessoria Contábil: Leucimar Martins
    Realização: WB Produções
    Assessoria de Imprensa: FatoMais Comunicação
    Produção Local: Cia de Sucessos
    Patrocínio Nacional: Seguros Unimed

    NATHALIA TIMBERG - atriz
    Carioca, nascida em 1929, Nathalia Timberg é uma das mais importantes atrizes brasileiras. Com longa história no teatro, no cinema e em televisão (desde o lendário Grande Teatro Tupi, da extinta TV Tupi), atuou num sem número de teleteatros e telenovelas, assim como de um dos primeiros telejornais da Rede Globo, o Tele Globo. Tornou-se um mito aos olhos do público durante a exibição de “O Direito de Nascer”, nos anos 1970. Alguns de seus trabalhos são considerados clássicos da teledramaturgia.

    Reconhecida por sua vasta carreira no teatro e na televisão, foi no cinema que teve sua primeira experiência artística. Aos seis anos, fez uma participação especial no filme O Grito da Mocidade, de 1937. Só voltaria a trabalhar numa produção cinematográfica mais de 20 anos depois.

    Coleciona em seu histórico mais de 40 peças teatrais, cerca de 08 obras cinematográficas e mais de 64 trabalhos na televisão, entre minisséries, programas e novelas. Consagrada pelo público e pela crítica, foi indicada a inúmeros prêmios por sua atuação e homenageada em importantes eventos relacionados ao cinema, ao teatro e à televisão.

    MARIA MAYA – diretora
    Bacharelada em Artes Cênicas pela UNIRIO, Maria Maya é atriz e diretora. Vem dirigindo peças no Rio e em São Paulo com sucesso e regularmente, entre elas "Adorável Garoto”, de Nicky Silver; “Não Somos amigas”, de Michelle Ferreira; "Lady Christiny”, baseado em documentário homônimo; “Talk Radio", de Eric Bogosian. Também dirigiu shows, como o de estreia da turnê do disco “Momentos que marcam demais”, de Sandra de Sá; e do lançamento da Banda Swing Tribo. Maria Maya já atuou como diretora assistente na televisão (“Malhação“ e a série “Sitio do Pica-Pau Amarelo“, ambas na TV Globo) e no cinema (o curta “Angústia” de Hsu Chien).

    CACAU HYGINO - autor
     Em 1992, fez sua estreia profissional como ator no teatro. É autor das peças “Herivelto Como Conheci”, com Marília Pêra; “100 Dicas Para Arranjar Namorado”, com Daniele Valente; “Liza, Lisa e eu”, com Simone Gutierrez; e “Deu a Louca Na Branca”, com Cacau Protásio.

    Teve publicados seus livros “Mulheres Fora de Cena” (Ed. Globo/2005), “Nós e Nossos Cães” (Ed. Globo/2006), “Virna – A Trajetória De Uma Guerreira” (Casa da Palavra/2007), “Fofoca” (Espassum Editora/2008), “Herivelto Como Conheci” (Espassum Editora/2011) e “Nathalia Timberg – Momentos” (MBooks/2014). Lançou ainda a fotobiografia da atriz Irene Ravache - “Simples Assim, Irene” e Zezé Motta.

    WB PRODUÇÕES
    Bruna Dornellas e Wesley Telles – Diretores de Produção

    Há mais de 11 anos em atividade, a WB Produções, idealizada por Bruna Dornellas e Wesley Telles, é uma empresa consolidada no mercado cultural. Em seu portfólio, têm mais de 300 espetáculos apresentados em mais de 500 sessões realizadas, com média de 350 mil espectadores. A produtora já excursionou e fez temporadas com o espetáculo “E o Vento Vai Levando Tudo Embora”, escrita e dirigida por Regiana Antonini; “Deu a Louca na Branca”, com a atriz Cacau Protásio e “O Último Capítulo”, com Mariana Xavier e Paulo Mathias Jr. Além disso, está em processo de montagem e captação dos espetáculos “O Dia Seguinte”, de Regiana Antonini, inspirado na obra de Luis Fernando Veríssimo; e “Misery – Louca Obsessão”, baseado na obra de Stephen King, dentre outros.


    SERVIÇO

    Local: Teatro Sesi
    Dias 27 e 28 de Abril
    Horários: Sábado às 21h e Domingo às 20h.

    Preço: R$ 80,00 (inteira) e R$ 40,00 (meia).
    50% de desconto na Inteira para Clientes Seguros Unimed (titular + acompanhante),

    Preço: Promocional R$ 60,00 (inteira) e R$ 30,00 (meia)
    20% de desconto para plateia superior - Filas P, Q, R e S.

    Vendas: Komiketo da T-4 (St Serrinha) e www.ciadeingressos.com
    Informações: 3269-0800

    Capacidade: 600 lugares 
    Duração: 50 minutos.
    Gênero: Documentário Cênico.